Indice


Amor e Sexo


Bíblicas


Mágicas


Sorte

 

SIMPATIAS PARA O AMOR E PARA O SEXO

    O amor é um sentimento que foge totalmente ao controle das pessoas, manifestando-se inesperadamente. Quando acontece, sempre deixa as pessoas aturdidas diante dele. As reações são as mais variadas possíveis. Há quem sinta medo, há quem fique abobalhado, alguns riem à toa, outros choram de felicidade e assim por diante. Ao se ter certeza de um amor, vem o medo de perder e, aí, a situação é pior do que a solidão.

    Quem sempre viveu na solidão, conhece o próprio sofrimento. Quem ama e depois se vê obrigado a retornar à solidão, sofre mil vezes, porque conheceu a felicidade, sabe o que significa ter alguém. Ao invés da dor da solidão, passa a sofrer a dor da perda e a da solidão juntas. Isso arrasa qualquer coração.

    Se para conseguir um amor as pessoas recorrem a todos os meios disponíveis, quando ama e quando perde também usam recorrer a toda forma de auxílio que possam conseguir, apegando-se aos anjos, santos e toda sorte de divindades.

    Amar é enfrentar riscos, pois o simples fato de sentir e de conviver com o amor já representa um problema. Quando alguém se apaixona, perde toda a noção do mundo ao seu redor. Com sua felicidade, torna o mundo melhor e mais alegre, mas, em contrapartida, acaba provocando, involuntariamente, a inveja de pessoas incapazes de amar que, mesmo sem o saber, podem causar terríveis males a quem ama.

    A sabedoria popular sempre privilegiou, através das simpatias, a proteção ao amor, principalmente na forma de prevenção. Além disso, sempre se preocupou em fornecer elementos para preservá-lo, para conseguí-lo ou para esquecê-lo. Por ser forte demais e deixar feridas doloridas, a cura tem de ser igualmente forte. Para se lidar com os problemas do amor, somente tendo muita fé e muita determinação, além, é claro, do conhecimento de uma boa simpatia popular.

    Parodiando o poema, o amor é algo que não se pega, mas se sente. Não se toca, mas nos toca. Não se guarda no bolso ou numa gaveta, mas no coração. Conquistá-lo é uma bênção. Perdê-lo é mergulhar num abismo escuro, onde não existe consolo.

    Amor e divindade têm se mesclado freqüentemente, pois a humanidade, após os tempos primitivos, onde os deuses eram temidos pelo medo que inspiravam, encontraram novas formas de entender esse poder superior, que de um ser vingativo passou a ser um ser de amor e bondade. Os ensinamentos de Jesus Cristo foram fundamentais para a divulgação dessa nova mentalidade e nesse novo modo de encarar as relações do homem com o seu Deus.

    Por ser um sentimento totalmente fora de controle, porém, manifestando-se inesperada e imprevistamente, o homem sempre se viu atordoado diante das coisas do amor, freqüentemente recorrendo aos poderes superiores, tanto para conseguir chegar ao amor quanto para entendê-lo e mantê-lo sob seu controle.

    Tudo tem sido válido para que homens e mulheres se sintam capazes de explorar ao máximo esse sentimento, que não apenas aproxima um do outro, como os leva, também, rumo à divindade, de onde emana todo o amor.

    As coisas do coração sempre ocuparam um lugar de destaque nas Simpatias Populares, pois se trata de um assunto onde o espiritual e o físico caminham tão unidos que fica impossível dizer onde termina um e começa o outro.

    Em todos os relacionamentos, a atração física pode ser a centelha que desencadeia o amor e o amor é o fogo que alimenta a atração física, que se realiza no sexo satisfatório, onde o prazer do contato, dos toques, das carícias, das palavras doces e dos momentos de idílio completam a união do casal.

    Amar é um estado de espírito, um modo diferente de ver e tratar uma outra pessoa, tornando-a única aos olhos e nas atenções do amante. Esse estado de espírito deve ser cuidado para se perpetuar e apenas de modificar para melhor com a passagem do tempo, vencendo a rotina, o cotidiano e as agruras da vida.

    A convivência descuidada, que provoca um certo relaxamento nas atenções para com a outra pessoa, é, sem sombra de dúvidas, uma a maior responsável pela perda daquela fascínio que o amor contém. A rotina, enfim, exerce um efeito negativo e extremamente danoso sobre esse estado de espírito.

    São muitos os problemas que um casal enfrenta em seu relacionamento, seja na fase de namoro, seja no noivado, seja no casamento, surgidos pela convivência ou pelo processo natural de deixar cair as máscaras e revelar-se intimamente, coisa que fatalmente acaba surgindo quando a união já é definitiva.

    Muitas vezes, a cerimônia que marca essa união definitiva passa a ser o começo do fim de um romance ou de um namoro que se mostrava satisfatório e promissor, pois traz consigo a temível rotina.

    Namoro e casamento são os dois momentos mais importantes na vida de um casal. O primeiro representa o princípio da maturidade, quando se deixa para trás os jogos e brinquedos infantis para se entrar no mundo sério e delicado dos relacionamentos pessoais e sentimentais. É o momento das descobertas, de vivenciar as primeiras emoções, de viver sensações novas, por isso jamais deve ser feito atabalhoadamente, com pressa ou desregradamente.

    É preciso critério, sorte, orientação, muito embora nesse campo as opiniões alheias e os conselhos pouco contem. O que prevalece, na maior parte das vezes, é o aspecto pessoal, a química entre as pessoas, a atração que não respeita preconceitos ou barreiras.

    O segundo momento é o casamento, tão ou mais importante que o namoro, pois representa o momento de vivenciar uma escolha que, pelas regras naturais, deveria ser duradouro. Enquanto no namoro as experiências podem ser feitas sem maiores conseqüências, no casamento é preciso arcar com a responsabilidade da decisão tomada. Entre esses dois momentos importantes, um outro de transição, o noivado, serve para aplainar as últimas arestas e aprofundar o conhecimento um do outro. Tudo isso temperado com uma pitada de sexo, que ao longo do tempo promove a aproximação e a realização.

    Nada disso se faz sem experiência, sem paciência, sem carinho, sem perseverança. As Simpatias podem ajudar, mas é preciso que o amor seja cultivado no coração de cada um, transformando-se em felicidade, fé e confiança no relacionamento de ambos.

    Hoje em dia se percebe o quanto o homem criou, inventou, construiu e avançou, deixando a terra e partindo para conquistar os astros. Só que ainda o intriga, por não saber explicar, a magia da luz de uma vela, o poder de um simples pedaço de barbante, a mágica de uma moeda que revela um poder maior, que transcende seu valor monetário e vai buscar, na sua essência mineral, uma utilidade jamais imaginada pelos técnicos da Casa da Moeda.

    Percebe o homem que nada sabe sobre si mesmo, sobre os mistérios de seu coração, sobre as dores do amor, o sofrimento de uma saudade, o renascimento de uma paixão. Pode controlar um robô na superfície de Marte, mas não pode controlar seus próprios sentimentos nem conter as lágrimas ao perder uma pessoa querida.

    É capaz de criar efeitos especiais, sonoros e visuais espetaculares, remédios milagrosos, mas não sabe como lidar ainda com a química inesperada que liga um homem a uma mulher, fazendo com que suas peles se identifiquem, que o cheiro de um atraia o outro e que manifestem essa atração num momento mágico de prazer sexual.

    Uma flor nasce, um dia raia, uma semente brota, uma criança chora, todos são detalhes tão corriqueiros em nossas vidas, que passamos ao largo deles, sem perceber a tremenda magia cotidiana que a natureza realiza, num verdadeiro espetáculo, para nós, seus mais diletos espectadores.

    As mãos dadas, o beijo no portão, o abraço possesivo e dominador, aquele olhar furtivo, a paquera dissimulada, o bilhetinho inesperado, o toque sutil, o roçar de peles, o perfume pessoal, a bebida preferida, a comida predileta, tudo isso e muito mais são detalhes que vão se somando, cada um com a sua importância, construindo a dinâmica de um relacionamento. Quando este se rompe, cada um desses detalhes significa uma falta, um vazio. Tudo junto cria a saudade, que traz a dor e anseia pelo esquecimento rápido, como forma de amenizar o sofrer incessante.

    Não há remédio que cure a dor do amor, senão um novo amor ou uma boa simpatia. Isto porque ela age por caminhos invisíveis e irradia energias que nossos olhos não percebem, mas o coração e a mente sim. Não há como direcionar os passos de alguém, guiando-o à distância para que ele se aproxime, senão através de uma simpatia.

    Atrair, prender, amarrar, soltar, apaixonar, esquecer, todas essas nuances do amor podem ser tratadas com as simpatias. Prazer e aversão, ação e inércia, satisfação e frustração, atração e repulsão também encontram nas simpatias formas de canalizar energias positivas e, eventualmente, até mesmo as negativas, quando os fins justificarem os meios.

    Para secar as lágrimas, para abrir um novo sorriso, para cauterizar um coração partido, para iniciar um romance, para pôr fim nele, para despertar uma paixão, para mudar os rumos da vida e alcançar a felicidade sonhada, aqui estão as Simpatias para o Amor e para o Sexo. Realizá-las é decisão de foro íntimo de cada um. O que se recomenda em todos os casos é fé e perseverança. Não há outra forma de alcançar os resultados desejados.

    A grande magia do universo encontra-se no perfeito equilíbrio entre os pólos opostos. Podemos observar isto na natureza a nossa volta e em todos os aspectos da vida. O amor e o sexo representam essa harmonia, pois é o encontro de um homem e uma mulher, elementos considerados opostos em sua essência, mas complementares em sua busca por satisfação e realização.

    A felicidade de um casamento, namoro, noivado ou qualquer tipo de relacionamento onde haja um envolvimento emocional e amoroso depende de uma harmoniosa espiritual e física entre o homem e a mulher. Encontrar e desfrutar dessa boa sorte na vida não é tão fácil e exige dedicação, desprendimento, maturidade e outras tantas virtudes. Isso não significa que o sucesso de uma relação é algo impossível, pois também não é tão difícil assim e na verdade pode ser alcançada por todas as pessoas que realmente assim o desejarem e trabalharem juntas com o mesmo objetivo. Da mesma forma como a sabedoria popular afirma que "quando um não quer, dois não brigam", pode-se afirmar que quando os dois querem, ninguém impede.

    Além da disposição pessoal, os casais podem contar também com as simpatias que ajudam neste sentido, trazendo paz, felicidade e união duradoura para um casal. Qualquer pessoa que as realizar com fé verdadeira, vai alcançar seus objetivos amorosos e poderá desfrutar a felicidade que o amor e o sexo podem proporcionar.

    O campo de atuação das simpatias é vastíssimo. Há feitiços para conquistar, para amarrar, para atrair e também para afastar, para desmanchar e para esquecer amor que não é sincero ou que não deu certo. Tem também para acalmar os ciumentos e para aumentar o prazer na cama, enfim, para todas as ocasiões amorosas e sexuais. "Toda panela tem sua tampa", diz esse ditado antigo, significando que para todas as pessoas sempre existirá um par amoroso e uma paixão verdadeira. O amor é amigo de todos e sua ação, em princípio, deve ser a busca mútua da felicidade. Ocorre que há gente que não percebe isso e fica de mal da vida, com medo de amar e, feito um tonto, não entende porque é que a felicidade lhe virou as costas, quando foi ela quem virou as costas para a felicidade.

    Até mesmo quando um amor acaba, mesmo no caso de uma desilusão amorosa dolorida, ninguém pode desanimar, pois o fim sempre significa um recomeço e o certo é partir para outra porque amor que acaba não era verdadeiro nem definitivo.

    O homem precisa do amor e do sexo para viver, pois todos nascemos do amor e da união sexual de nossos pais. Assim como o ar que respiramos, o amor quando é puro traz realizações maravilhosas para as pessoas. Seu complemento, o sexo, é uma infindável fonte de prazer e sempre há algo mais a descobrir sobre a sexualidade e algo mais para desfrutar. Desde os tempos mais antigos, a humanidade pratica feitiços e mandingas para se realizar-se completamente através dos prazeres da carne e muitas delas, simpatias de todos os lugares do mundo e de todas as épocas também, poderão ser aqui encontradas. Tudo para que você e a pessoa que você ama poderem atingir os mais altos graus de prazer e satisfação através do amor e do sexo.

    Assistimos, neste final de milênio, uma necessidade premente do homem de voltar às origens simples que ele abandonou, à natureza que ele agrediu e vilipendiou e à espiritualidade que abandonou, desiludido, em algum ponto de sua caminhada entre os extremos do fanatismo.

    Atordoado, vítima de angústias e problemas que a ciência não consegue entender nem explicar, ele é empurrado de um lado para outro, pelas correntes religiosas salvadores e messiânicas, algumas com procuração do Criador para falar por elas, outras com canais de comunicação abertos diretamente com Ele, como se Deus fosse um mega-empresário, administrando à distância seus bens e propriedades e apenas alguns privilegiados tivessem acesso a ele.

    Em virtude disso, os jovens, pressionados pelo cientificismo, de um lado, e presas fáceis do fanatismo, do outro, confusos, buscam respostas que a sociedade não pode lhes dar, simplesmente porque esqueceu como fazer isso.

    Velhas tradições, como a conversa à mesa, as receitas familiares, as simpatias das avós e outras, relegadas ao esquecimento, começam lentamente a ganhar sentido, respeito e valor, pois em nenhuma outra parte eles podem encontrar a mesma sinceridade, a mesma fé e a mesma determinação.

    Da mesma forma como muitas famílias conservam para si uma receita culinária especial, assim também as Simpatias são conservadas e passadas de mãe para filha, ao longo do tempo. A algumas a família acrescentou um detalhe específico que, longe de descaracterizar a prática, apenas deu-lhe um toque todo especial e característico.

    Essa transferência oral de conhecimentos, praticada no mundo desde os primórdios dos tempos, tem enfrentado, nos últimos tempos, um retraimento, em função do descompasso entre as gerações. Os jovens de hoje em dia, criados no cientificismo, acabam, pela falta de informações mais completas, taxando de folclore ou superstição, tudo aquilo que não se enquadra nos rígidos padrões do ensino ministrado nos bancos escolares.

    Professores mal-remunerados e muitas vezes improvisados vestem uma aparente capa de saber e, do alto dos livros escolares, limitados e ideológicos, pregam um conhecimento superior, como se nenhum deles tivesse origem ou destinação popular.

    A humildade no saber e no demonstrar conhecimentos é uma prática em extinção, infelizmente. Fechar os olhos à cultura popular e pregar um conhecimento que absolutamente segrega tudo que vem do povo, é um absurdo e um crime contra a tradição.

    Toda a ciência do mundo, até hoje, nada criou de novo. Apenas investigou, interpretou ou adaptou o que já existia no mundo, desde que o homem é homem. Assim, longe de ser a dona da verdade, a ciência deveria ser a questionadora e a pesquisadora de fenômenos que, por não saber explicar, ela descarta como se não sendo válido.

    Em sua cegueira, não consegue interpretar os anseios mais simples e comuns do homem, que deseja amar e ser amado, da forma mais simples e descomplicada possível.

    É o que buscam oferecer as Simpatias Populares!