Indice


Amor e Sexo


Bíblicas


Mágicas


Sorte

SIMPATIAS POPULARES

    As simpatias estão firmemente arraigadas no folclore e nos costumes e tradições de nosso povo, transmitidas pela tradição oral e evoluindo com ele, como se percebe nas constantes adaptações sofrida com cada uma delas. Esse é o detalhe mais fascinante das simpatias que fizeram e fazem ainda hoje parte da vida de muitas famílias, não apenas das chamadas "incultas", mas em todos os níveis de nossa sociedade.
     A forma como as simpatias vão se adaptando aos novos tempos revelam que seu componente principal não são os ingredientes utilizados, mas algo mais profundo, superior e indecifrável, aparentemente.
     A sabedoria popular afirma sempre que a fé é o componente principal. Sem ele, a simpatia não tem sentido e nada resolve. Somos forçados a acreditar nisso. A fé parece ser o principal elemento das simpatias mas, para que o processo seja completo, torna-se necessária a utilização de elementos canalizadores dessa fé, que representa aqui um potencial de energia positiva ou negativa incomensurável.
     Ao utilizar determinados materiais numa simpatia, eles se tornam o fio condutor da fé, o elemento mágico e insubstituível para o sucesso.
     Temos pesquisado, procurando enriquecer o conhecimento sobre este assunto. Sabemos que no Antigo Egito já se utilizavam de simpatias. Entre os celtas, na antiga Britânia, os druidas atingiram um conhecimento surpreendente na arte das simpatias, com suas reuniões realizadas nos bosques de carvalho e sua magia ainda hoje surpreendente e, em muitos pontos, inexplicável. Na Idade Média elas atingiram um refinamento surpreendente e sua utilização muitas vezes era confundida com a bruxaria, levando homens e mulheres às fogueiras. Os escravos que vieram da África trouxeram suas simpatias. Os portugueses que nos colonizaram também. Os imigrantes vindos de todas as partes do mundo, cada um tinha um detalhe a acrescentar ao vasto e inesgotável repertório de simpatias populares.
    É isso que vamos apresentar!

Copyright © 2018 L P Baçan